sábado, 2 de março de 2013

Constantin Brâncuşi


Constantin Brâncuşi (Hobiţa, Romênia, 19 de fevereiro de 1876 — Paris, 16 de março de 1957) foi o mais célebre escultor romeno e um dos principais nomes da vanguarda moderna.

Estudou na Escola de Artes de Craiova de 1894 a 1898 e depois na escola nacional de Belas Artes de Bucareste de 1898 a 1901. Com o objetivo de completar a sua formação, chega a Paris em 1904 e se inscreve na école nationale supérieure des Beaux-Arts em 1905. O escultor romeno Constantin Brancusi, (1876-1957) foi uma figura central do movimento moderno e um dos pioneiros da abstração. Sua escultura é conhecida por sua elegância visual e uso de materiais sensíveis, combinando a escultura franca do camponês com a sofisticação da vanguarda parisiense. Depois de frequentar a Escola de Belas Artes de Bucareste e da aprendizagem da escultura de August Rodin, Brancusi viajou para Paris em 1904. Brancusi criou sua primeira grande obra, O Beijo, em 1908.
A partir deste momento sua escultura tornou-se cada vez mais abstrata. Passa a operar as formas através do polimento, como se tentasse ao mesmo tempo eliminar da escultura a representação e chegar a seu centro. Ao mesmo tempo, questiona o pedestal a partir da idéia de objeto que media a relação da escultura com o real. Passa, assim, a incluí-los esteticamente no problema da escultura. Entre outras, destacam-se na sua obra a Musa adormecida, A maiastra, O mundo, O pássaro e a Coluna sem fim. A escultura de Brancusi ganhou notoriedade internacional em 1913 Armory Show, em Nova York. Seu atelié em Paris foi preservado depois de sua morte e reconstruído ao lado do Centro Georges Pompidou, o Beaubourg, pelo interesse dedicada ao arranjo de suas esculturas, que em si foi pensado como problema artístico e foi documentado em fotografias e filmes pelo próprio artista.
Isamu Noguchi trabalhou como assistente de estúdio de Brancusi em 1927, Brancusi e lhe ensinou a esculpir a pedra e a madeira. Na década de 1930 Brancusi trabalhou em dois projectos ambiciosos escultura pública, a realizar um templo na Índia para o marajá de Indore e a instalação em Tirgu Jiu, Roménia, de sua Portão do Beijo, Tabela de silêncio e uma versão de 100 pés de altura de ferro fundido da Coluna infinita.
Em sua morte Brancusi deixou o conteúdo de seu estúdio para o Museu de Arte da Cidade de Paris, na condição de o estúdio ser instalado no museu em sua totalidade.






















Nenhum comentário: